#zeofflineday

A internet me trouxe muitas pessoas maravilhosas e uma delas foi o . A primeira vez que nos encontramos em São Paulo ele tinha me dado um número de telefone errado e eu não conseguia falar com ele. Tínhamos marcado na rua depois que eu saísse de um filme que assisti. Isso me lembra que ainda não fui ao cinema com o Zé. Ele chegou meio apressado, meio com cara de quem já se conhece. E desse dia em diante tive certeza que eu e o Zé nos divertiríamos muito. O Zé é meu fotógrafo oficial em SP e tem até um álbum no flickr com meu nome.

O Zé tem cara e jeito de super cool. De ser publicitário, agente literário ou produtor de discos indie. Uma vez o Zé me levou para um encontro do Google Reader. O Zé me ensinou que podemos ficar amigos de gente que conhecemos por meio de comentários no Google Reader. O Zé esse ano começou a fazer podcasts, mas ainda não teve coragem de me convidar para profanar o blog dele com Beto Barbosa, Roupa Nova e afins. Hoje posso carregar um pouquinho do Zé no meu ouvido.

Já andei de metrô com o Zé. Já ficamos conversando em pé numa muvucada estação São Bento, num sábado de manhã. Já falamos sobre cantoras que parecem atendentes de lanchonete romenas. O Zé já me viu bem gripada. Me ensinou o bordão “cadê o companheirismo?”. E me contou sobre Paristuba. E uma vez no ponto de ônibus, o Zé me deu o chaveiro mais cafona que já ganhei na vida, e que usei como broche. Também já andei de trem com o Zé.

O Zé é o tipo de amigo que mora em outra cidade, que encontro uma vez por ano, que falo muito no twitter, que faço comentários troll miguxos no blog, que adora música, cinema, boas baladas, boas conversas e afins. O Zé já me deu tantos presentes. Ele me deu Slave to Love cantada pela Roisin Murphy, ele me deu o Hollywood Mon Amour e a Bic Runga. E o Zé não gosta de música brasileira. O Zé adora ler livros em inglês. E eu adoro quando a gente passeia pela Paulista.

Hoje é aniversário do Zé e acho que você deveria ir lá no zeoffline.com conhecer um mundo de músicas, bandas, cantoras, filmes, livros e algumas saudades. E além de ter me apresentado o Nestor e a Ucha, o Zé tem um irmão gêmeo igualzinho a ele, que eu nunca vi. Mas o Zé eu já vi, e volta e meia bate uma saudade imensa dele. E fico super feliz que uma banda escocesa (que só conheço por causa dele) deu um presentão de aniversário para ele. Parabéns, Zé! Felicidades! Sua miguxa de Brasília te ama muito!

Publicado por

Bia Cardoso

Uma feminista lambateira tropical.

Um comentário sobre “#zeofflineday”

Os comentários estão fechados.